Linchamento, a marca da mídia – por Miguel do Rosário

Texto publicado no site Tijolaço no dia 18 de agosto de 2013 por Miguel do Rosário. Disponível aqui.

__

Há tempos que não víamos uma campanha tão pesada, tão agressiva e tão violenta como essa que vemos se desencadear contra o Fora do Eixo. Ontem a Folha publicou chamada na primeira página acusando Pablo Capilé de ser “imperador de um submundo”.

Hoje a mesma Folha volta a publicar matéria na primeira página: “Fora do Eixo deixa rastro de calote em Cuiabá”.

ScreenHunter_2323 Aug. 18 13.27

ScreenHunter_2322 Aug. 18 13.27

Não estou aqui para defender ninguém. Mas é espantoso como são as coisas. A Globo pediu moratória de US$ 2 bilhões em 2002, tentou dar um beiço em seus credores norte-americanos, e não houve nenhuma campanha difamando a família Marinho. Ninguém foi entrevistar os credores da Globo, para que eles fizessem desabafos.

E agora, a Folha e outros veículos de mídia, publicam chamada na primeira página de matéria denunciando que o Fora do Eixo ainda não pagou um restaurante em Cuiabá.

Dívidas devem ser pagas, mas há também uma relação privada que deve ser respeitada. Há documentos que são assinados, riscos que são assumidos, e existe uma justiça para resolver essas pendências.

A matéria da Folha provavelmente mistura dívidas corretas com fofocas e cobranças indevidas, gerando um factóide político que não me parece ter outra intenção que a de assassinar reputações.

Se a Folha for procurar por caloteiros, vai encontrá-los em magnitude muito superior nos latifundiários, por exemplo, que há décadas pegam empréstimos no Banco do Brasil e simplesmente não pagam. Isso sem falar no Globogate, um caso de R$ 615 milhões com o qual a nossa mídia jamais se importou, e que até hoje tenta, desesperadamente, abafar.

Para este blogueiro singelo, os “imperadores  de submundo” não são os que devem 20 mil reais em restaurantes de Cuiabá. Acabamos de saber, por exemplo, que a Receita cobra R$ 18 bilhões do Itaú, e que a fortuna de brasileiros em paraísos fiscais totaliza mais de R$ 1 trilhão.

Mas para os coxinhas, à esquerda e à direita, o bicho papão é um rapaz de origem pobre de Cuiabá, com um estranho angioma no rosto e fotos com Dirceu e Lula no Facebook…

Por: Miguel do Rosário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*